Quando alguém nasce, nasce selvagem


O Fim de Ano de 1990-91 o passei em Lisboa com minha noiva de então. Fomos ao Castelo de São Jorge, subimos ao bonde, visitamos o Chiado, o Café Brasileira, sentamo-nos também junto ao Pessoa de ferro. O dia de "Nochevieja", pela tarde, vimos que na praça do Comércio estavam preparando um concerto para celebrar o ano novo, e ficamos um momento ali escutando os ensaios. Chamou-nos a atenção uma preciosa canção que falava de "nascer selvagem". Depois, quando era já um pouco tarde, pusemo-nos a procurar um restaurante onde jantar aquela noite, e quando eram já quase as onze encontramos um, velho, tradicional, na praça de Camoes, onde nos puseram bacalhau e várias garrafas de vinho verde. Pouco depois estávamos na praça do Comércio no meio do alvoroço. Quando soaram os acordes de Nasce selvagem se desatou o entusiasmo: braços em alto, milhares de vozes cantando ao uníssono. E ali estávamos ela e eu, contagiados da alegria, tentando cantar o estribilho com nosso pobre português, vivendo aquela noite mágica debaixo do céu lisboeta.

Anos depois, graças a Internet, redescobri essa canção e ao grupo que a interpretava (Delfins). Aqui têm um vídeo de Nasce selvagem, interpretada por outro grupo, chamado Resistência:


Letra:

Mais do que a um país
que a uma família ou geração
Mais do que a uma passado
Que a uma história ou tradição
Tu pertences a ti
Não és de ninguém
Mais do que a um patrão
A uma rotina ou profissão
Mais do que a um partido
que a uma equipa ou religião
Tu pertences a ti
Não és de ninguém

Vive selvagem
E para ti serás alguém
Nesta viagem

Quando alguém nasce
Nasce selvagem
Não é de ninguém

Quando alguém nasce
Nasce selvagem
Não é de ninguém
De ninguém

5 comentaris:

Xavier Aliaga ha dit...

Interessant. Un himne als braços caiguts, l'individualisme i la resignació, tot d'una, amb un fons compromés però, en realitat, totalment vacu.

Tadeus ha dit...

Home, aquell cap d'any, amb l'ambient de festa i regats de xampany per totes bandes, estàvem per a pocs matisos filosòfics. Ens vam quedar, directament, amb el concepte de 'selvagem'. Comentar, a més, que teníem vint i pocs anys.

Xavier Aliaga ha dit...

Correcte, se m'ha anat la pinça. És que estes cançons flower-power em posen molt nerviós. Però segur que és un record bonic, en un país estranger, i tal. Sorry.

LA FARFALLA ha dit...

Aquí la farfalla de nuevo. Me parece un sitio muy interesante, me dispongo a mirarlo con detenimiento. Un saludo!

Tadeus ha dit...

Hola Farfalla, bienvenida al blog!